sexta-feira, 13 de julho de 2007

INFERNO OVER NIGHT

Já andava feito louco pelas ruas do Planeta Ateu repetindo as mesmas frases, carregava um megafone, às vezes parava na porta de alguma fábrica ou colégio, qualquer prédio grande, cheio de salas de escritório, cheio de pessoas, esperava a hora em que elas iam chegando ou saindo em maior número, e lá estava ele gritando com seu megafone. Era conhecido como Joãozinho-Pé-de-Barro, pois nesse planeta, Deus era um conceito muito primitivo. - Somos todos feitos apenas de barro, deixa de ser besta Joãozinho. As pessoas viviam repetindo, e ele saia feito louco, batendo o pé em disparada e soltando palavrões. Era motivo de piada onde quer que fosse, e muita gente fingia creditar-lhe certa dose de confiança apenas para fazer-lhe troça pelas costas.
No Planeta Ateu apenas à três tipos de pessoas era dado o direito de acreditar em Deus, às crianças, aos loucos e aos idiotas, Joãozinho parecia uma mistura dos três, mas não estava nem aí para o apáticos, como ele mesmo dizia.
Um dia aconteceu, sabe-se lá em qual localidade exatamente, mas o fato é que Joãozinho-Pé-de-Barro arrumou uma esposa e essa mulher passou à seguir-lhe os passos, assim também foram os filhos, sete ao todo e todos crentes na existência de Deus, a essa altura do campeonato a família de Joãozinho era conhecida e de certa forma evitada em todo o planeta, porém com o passar do tempo, os filhos de Joãozinho foram crescendo, casando, os homens foram convencendo suas esposas, as mulheres convencendo seus maridos e a população de pessoas que acreditavam em Deus foi crescendo, crescendo, até que fundaram a primeira escola somente para pessoas que acreditavam em Deus, depois veio o primeiro hospital, a primeira vila, o clube, o partido político, certa eleição, ganharam, compraram votos, construíram templos, escadas que os levariam aos céus, mudaram por decreto o nome do Planeta Ateu para Planeta de Deus. Joãozinho ficou rico, muito rico, toda a família de Joãozinho prosperou, mudaram então o sistema para monarquia, Joãozinho agora era rei, presidente, conselheiro, tudo ao mesmo tempo, seus filhos tinham os cargos mais importantes, eram lideres de comunidades, falavam para multidões.
Certo dia, uma luz muito intensa surgiu no céu, todos ficaram a postos, exceto é claro, as pessoas que não acreditavam, e aquela luz foi chegando mais perto, cada vez mais perto, Joãozinho e todos os seus seguidores postaram-se emocionados em reverências à luz divina. Até que por fim chegou bem perto, parou, todos olharam, silêncio no planetinha...............................................
era um ônibus espacial, de dentro saiu uma menina de cabelo raspado e brinco no nariz e com um megafone gritou bem alto: ESSA NOITE TEM FESTA NO INFERNO, BEBIDA POR CONTA DO DIABO. E todos aqueles que não acreditavam subiram as escadas do ônibus espacial e deixaram o antigo Planeta Ateu, convertido agora, num chato e ditatorial Planeta de Deus. E logo depois o Planeta de Deus mergulhou numa sangrenta guerra entre as pessoas que acreditavam que Deus fosse verde e as pessoas que acreditavam que Deus fosse azul. Enquanto os loucos faziam festa no planeta ao lado, apelidado temporariamente de INFERNO OVER NIGHT.

3 comentários:

Alessandro disse...

Irresistível pra mim o comentário que farei:

Oh, deaboooooooos!

Muito bom o conto, camarada. Devia ser considerado literatura infantil para crianças atéias. :-)

Abraço!

Rafael Mafra disse...

Ei, cara!
Nessa história toda, em que planeta estamos?
Cadê essa tal nave que não vem nos buscar?
Enquanto isso, vamos nos virando.

E o zine? Conversou com o Alê?
Qualquer coisa conversamos na sexta. A Alê faz aniversário no domingo, queria encontrar um pessoal na sexta, no Gruta.

Abraços!

Paulo Cezar Filho disse...

opa Rafael, hoje estaremos lá (se você ler isso aqui antes) e falaremos sobre o zine sim...já tem material suficiente para uma edição do caraleo.
abraço e inté mais no gruta-rock-jazz-blues-bar.